Como tornar o desenvolvimento das metrópoles mais sustentável

A urbanização é uma coisa positiva em termos de progresso tecnológico e melhora na qualidade de vida. No entanto, o desenvolvimento sustentável das metrópoles não deve ser deixado de lado.

Comumente o crescimento das cidades é acompanhado por impactos ambientais negativos. Isso porque elas concentram um grande número de pessoas, alto consumo de serviços e produtos além da geração de lixo e queima de combustíveis fósseis.

Tudo isso representa ameaça para o meio ambiente e para o futuro da sociedade. 

Porém, ao contrário do que muitos pensam, é possível promover o crescimento das capitais sem abrir mão da sustentabilidade.

Continue lendo para saber como isso pode acontecer!

Por que as cidades precisam ser mais sustentáveis

Nos últimos tempos temos visto constantemente o quanto o crescimento descontrolado de grandes cidades afeta o meio ambiente. 

Tempestades torrenciais, dias com recordes de calor e níveis baixos dos reservatórios são apenas alguns exemplos. 

Sendo assim, podemos dizer que o principal objetivo de cidades sustentáveis é evitar o esgotamento do meio ambiente e garantir o futuro das próximas gerações. 

Se faz necessário, então, a reinvenção dos centros urbanos e da forma com a qual nós interagimos com eles. 

O que fazer para tornar as metrópoles mais sustentáveis 

Políticas de incentivo para empresas

Os maiores produtores de resíduos e agentes da degradação ambiental são as empresas. Muitas delas, inclusive, colocam o lucro e expansão comercial acima dos cuidados com o ambiente. 

Por esse motivo, se faz necessário criar medidas para encorajar essas corporações a diminuírem seus impactos ambientais e investirem em programas de sustentabilidade. 

Além disso, é necessários assegurar que essas empresas estejam em conformidade com a lei ambiental brasileira.

Fiscalizar licenças ambientais e outros documentos importantes, como é o caso do certificado de regularidade ibama, é importante para a sustentabilidade das cidades.

Outra grande medida é criar programas de incentivo para auxiliar empresas focadas em soluções inovadoras. 

Tais programas visam investir em empresas recém inaugurados que tem como base do seu modelo de negócios o uso de energia limpa, sustentabilidade e redução dos impactos ambientais. 

Políticas Públicas 

Outro grande passo para o desenvolvimento sustentável das metrópoles é a criação de políticas públicas. Afinal, são elas que viabilizam ações do governo nas grandes cidades. 

Um exemplo de política pública é a capacitação para a gestão correta de resíduos sólidos oferecida à cidadãos, empreendedores, entre outros. 

Melhorar a mobilidade urbana

Quando falamos de mobilidade urbana estamos falando de prover para a população um transporte público de qualidade para, assim, diminuir a frota de carros na rua. 

Também estamos falando de investir em transporte coletivo movido a energia não poluente, como é o caso dos ônibus elétricos. 

Outra solução é criar meios que viabilizem a circulação de veículos como bicicletas e patinetes. 

Arborização

Aqueles que pensam que áreas verdes e cidades não combinam estão redondamente enganados. 

Não é só possível unir esses dois extremos, como é um fator significativo para a melhora da qualidade de vida da população. 

Ao criar mais áreas verdes pelas cidades a qualidade do ar melhora e se evita a formação de ilhas de calor.

Além disso, as árvores ajudam a manter a humidade o ar, reter água da chuva e permeabilizar o solo. 

Moradores da cidade

De nada adianta trabalhar junto às empresas e criar  políticas públicas se a população não está engajada em promover a sustentabilidade no dia a dia. 

Sendo assim, é importante mudarmos nosso comportamento e pensar no que podemos fazer para produzir menos lixo e poluição, além de diminuir o consumo de recursos naturais. 

Esse tipo de ação também deve estar presente nos nossos lares, principalmente em condomínios residenciais, onde uma grande quantidade de pessoas vive.

O que acontece é que boa parte desses condomínios são verdadeiras cidades, com dinâmicas de convivência próprias. 

Por isso, a sustentabilidade pode e deve fazer parte do dia a dia dos condôminos. 

Coleta seletiva e implementação de sistemas de reaproveitamento de água e energia são alguns exemplos simples do que pode ser feito por moradores e síndicos. 

Condomínios também costumam contar com jardins e  canteiros gramados. Por isso, é preciso encontrar alternativas para que a manutenção dessas áreas seja feita com menos água. 

Construção civil sustentável 

Atualmente, a sustentabilidade na construção civil é uma questão cada vez mais valorizada pelo mercado. 

Isso acontece não só na idealização dos projetos, mas também dentro dos canteiros de obra. 

Empresas de construção civil estão cada vez mais investindo em práticas sustentáveis que passam pela redução de resíduos, menor desperdício de materiais e outros recursos. 

Tais práticas diminuem os impactos das construções no meio ambiente e  também proporcionam mais economia no orçamento das obras. 

Além disso, alguns projetos arquitetônicos e de design estão ganhando notoriedade porque unem modernidade com sustentabilidade. 

É cada vez mais comum ver casas e comércios utilizando placas de energia solar, mobiliário feitos a partir de materiais sustentáveis e os modernos telhados verdes. 

Para um futuro sustentável, precisamos nos unir!

A sustentabilidade só é possível por meio de esforços conjuntos entre poder público, setor privado e sociedade. 

Afinal, todos temos responsabilidade para com o futuro dos próximos moradores das nossas capitais. 

Lembre-se no seu dia a dia que o desenvolvimento sustentável das metrópoles depende de todos nós. 

Conteúdo produzido por Business Connection 

Compartilhe esse post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *